O pensamento natural
Eduardo Loureiro Jr.

Pensamento natural não é aquele que se tem ao ver um homem negro e pobre vindo em direção contrária numa rua deserta depois das dez da noite. Nem aquele que se tem ao ver um senhor de certa idade com uma menina de tenra idade. O pensamento natural não é este pensamento espontâneo, e é também este pensamento, porque todo pensamento é natural, desde o senso comum até a fundamentação filosófica. O pensamento de que Energia é igual à Massa vezes a Velocidade da Luz ao quadrado ou o pensamento de que a sociedade está organizada em micropoderes; estes, dizem, não podem ser naturais porque há trabalho ou intervenção do homem. Um paradoxo que se resolve declarando sua inexistência: o pensamento é humano e o natural é não-humano, logo o pensamento e o natural só vão se encontrar no infinito, dependendo ainda da geometria humana utilizada. O sol é natureza, presumo. E a borboleta, também. Tudo é natureza, eu exagero?, menos o homem, por quê? E, adotando o ponto de vista da borboleta, tudo será natureza menos ela? E as cores de suas asas não serão cores naturais? E se o pensamento estiver para o homem como as cores estão para as asas da borboleta... As borboletas e os outros animais são naturais, mas o homem não? Quem nos deu ou como conquistamos essa absolvição? Terá sido essa a verdadeira Criação? Viemos do macaco como viemos de casa ou voltamos do macaco como voltamos do trabalho? Os animais não pensam ou apenas não se comunicam conosco, mesmo que sejam capazes de falar entre si? Outros mundos habitados não existem ou apenas não nos comunicamos ainda com eles? A árvore que caiu na floresta sem ter ninguém para ouvir fez barulho? Quando eu fico cego se apaga o mundo? O instinto é imediato, ação e reação. O pensamento é mediato, mediado, reflexão. E a espera da cobra, armando o bote, é imediato ou mediato, ação, reação ou reflexão? Se o pensar pode ser uma cor da asa de uma borboleta, o pensar sobre o pensar não pode ser as cores da cor de um camaleão? O pensamento ao quadrado do camaleão é a homocromia, o mimetismo, a adaptação. E o pensamento ao cubo, o pensar sobre o pensar sobre o pensar? Assim como todos os japoneses parecem aos ocidentais iguais mesmo sendo diferentes, não pareceremos a um extraterrestre iguais, naturais, mesmo sendo diferentes, pensantes? Somos diferentes mesmo sendo iguais ou somos iguais mesmo sendo diferentes? Onde está a nossa diferença: no pensamento? perdida no meio da selva, mamando na teta peluda como o menino-lobo? na cultura? Seriam as culturas subespécies do homo sapiens? Quais os laços que ligam a espécie humana? Estar entre os lobos e tornar-se um deles é desumano, mais que isso, bestial, mas ser gentio com os gentios e dar a César o que é de César é humano, mais que isso, divino? "Por que Deus deixou para criar o homem no último dia? Muito simples. Para que, quando fossemos tocados pelo orgulho, pudéssemos refletir: até mesmo um simples mosquito teve prioridade no trabalho divino." O pensamento natural não é aquele que se coloca fora da natureza, estudando-a através da astronomia, da geologia, da zoologia e da botânica. O pensamento natural é aquele que está contido na natureza, que é um subconjunto do subconjunto que é a humanidade. O pensamento natural é aquele revestido de natureza, seja ela uma fileira de nervos, uma fina membrana encefálica, uma caixa craniana, um ecossistema, um horizonte, uma atmosfera, uma via leitosa nos campos do cosmo ou o próprio universo em contínua expansão. O pensamento é natural, dependente da natureza. O pensamento não existe sem natureza e não pode ser maior que ela ou estar fora dela. O pensamento natural naturalizou-se humano, como um cearense que se naturalizasse pernambucano e alardeasse sua ascendência holandesa. Ou como seu Chico Piúba dizendo que, se não tiver no Brasil, ele manda buscar em São Paulo. Penso, logo pendido, inclinado, de mau jeito.

[ texto produzido em 06.abril.2000 para a disciplina Correntes Modernas da Filosofia da Ciência ministrada pelo professor André Haguette ]

 

Fonte: http://www.patio.com.br/labirinto